____________"Profundo Amar"____________: 2010

"Selos de Profundo Amar"

"Profundo Amar"

Os direitos autorais são protegidos pela lei de nº 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998.
"Violar é crime estabelecida pelo artigo 184 do código penal"
(Caso queira uma cópia, solicite-a e mencione sempre sua autoria)


Conheçam Também:

Grato H²K

13 de dez de 2010

"Um Enredo"




Vem cola do meu lado
Não me diga ser pecado
Ter um beijo teu estampado


Vem diz que é verdade
Que já passamos a puberdade
E agora podemos dividir nossa liberdade


Vem me toma pela mão
Guia este meu coração
Que sofreu e não quer mais amar em vão


Vem senta aqui comigo
Faça do silêncio algo corrompido
E me de em suas palavras meu abrigo

Não me diga teres medo
Julgar que não tenho é engano ledo
Façamos da vida nosso próprio enredo



15 de out de 2010

"Assim sou Eu"



Nasci para amar em demasia
Idolatrar com extrema maestria

Nasci para contemplar em palavras
Perpetuar sentimento às claras

Sou assim extremo em sentir
Mas também hábil ao consentir

Talvez isso tudo faça de mim moribundo
Dos enlaces do amor mero vagabundo

Contemplando a todo o sentimento
Vivendo sem ninguém a dar-me alento

Quer saber de como estou?
Estou bem, pois sou assim como sou!

Não me entendo e nem tento
Vivo desta forma a meu contento

Se digo em várias formas te amar
É por que sobre amor, não sei balbuciar

Assim sou eu
Assim sou tudo o que Deus me deu




8 de out de 2010

"Amor em um Ato"




Posso vezes ser demasiado insensato
Entregar-me de um todo num simples ato
Falo além do que deveria
Por dar voz a certa euforia

Dizem que sábio é deixar o coração falar
Serei sábio em amor prematuro profanar?
Se sabedoria estivesse neste se entregar
Não teria que vivenciar ao amor se findar

Sendo assim bobo que sou
De sábio mesmo nada restou
Mas ainda sendo bobo como parece
Prefiro falar de amor à dor que padece

Prefiro me entregar assim mesmo que em um ato
Que calar um sentimento e me esconder feito rato
Não sou corajoso por me entregar
Mas sou sincero quando o amor proclamar

A vida não começa onde se termina algo
Nem termina quando se começa um trago
Ela se estende por uma longa trajetória
E satisfaz se for vivida e não se bastar em memória



6 de out de 2010

"Amei foi em Verdade"



Sou sentimento exposto
Da razão serei o oposto
Hei de me ferir e vezes estar no poço
Mas que fazer se de mim não faço esboço

Tenho cicatrizes de desamores
Hei ainda de sentir muitos temores
Por vezes tais cicatrizes se vertem em dor
Hei de suportar mesmo sendo tamanho o torpor

Não sei dizer meia palavra ou palavra e meia
Não sei fazer composição que não me saia da veia
Sou assim desmedido e vezes perdido
Mas sou inteiro mesmo vezes vencido

Não me entrego com facilidade
Mesmo caído ainda mantenho a hombridade
Sou de gostar em demasia
Sofrer até mesmo com certa nostalgia

Pois se sofrerei, será com humildade
Sentirei com intensidade a dor e a saudade
Mas hei de me orgulhar na posteridade
Pois se amei, amei foi em verdade



5 de out de 2010

"Estrela Mensageira"


Vou deixar com que o ar leve a ti meu pensar.
Este desejo de lhe querer e tão somente lhe amar.
Vou deixar que as águas límpidas lhe lavem o rosto.
Lembrando que da lágrima não lhe desejo nem o esboço.

Que os pássaros a cantarolar lhe alegrem a vida.
Dizendo sem palavras o quanto és querida.
E que a terra molhada lhe mostre fertilidade.
Confirmando que o amor tem também virilidade.

Ao anoitecer que a Lua ilumine seus passos.
Mostrando-lhe que no amor se fazem os laços.
Que o Sol a cada amanhecer lhe aqueça.
A fim de lembrar-te que o amor existe para que lhe apeteça.

E as estrelas, tão belas do alto a iluminar.
Possam para ti piscar e dizer: “ele apenas quer lhe amar”...



2 de out de 2010

"Adoro Você"

glitters

Já foi acometido por uma sensação inexplicável de dizer algo?
De falar de seus sentimentos acerca de outrem, mas se manter calado!
Pois é, uma sensação estranha, mas que logo se cala por achar ser inapropriado.

Mas digo em verdade, posso ser punido por ser às vezes assim tão claro.
Não pensem que já não me senti mal por ter dado voz a algo.
Ao sentimento que não sabe como se expressar e pede ajuda para ser falado.
O que particularmente e piamente acredito ser o mais adequado.

O sentimento nasce dentro da gente sem sabermos do pôr que.
Mas sabe como ninguém que se deixar-se sucumbir fará quem os tem sofrer.
Contudo, por vezes quando dito põe tudo a perder.
Às vezes uma distância, por fazer assustar a pessoa sem ela compreender.

Gritam aos quatro cantos, para dizermos hoje o que nos apetecer.
Mas é necessário fazer entender que quando o dizemos não queremos aparecer.
São sentimentos que nascem mesmo sem a gente querer.
Simplesmente aparecem e quando notamos já esta a nos pertencer.

Por vezes parece exagerado, fora de hora ou até mesmo inesperado.
Não importa o que parece ser, ou o que pode por vezes parecer.
Importa que o sentimento seja algo sublime e a ele não se pode ver.
Por isso precisa ser falado para se fazer entender e logo transparecer.

Posso ser inadequado, vezes antigo e parecendo quadrado.
Mas ainda prefiro ser assim aos olhos do mundo, que me vê em separado.
Que ter de conviver comigo mesmo, mantendo um sentimento calado.

Digo que lhe Adoro.
Não pergunte o pôr que
Apenas sei de mim e que isso devia dizer.



29 de set de 2010

"Manuscrito"


"Postagem dedicada a uma pessoa muito especial."
A qual sou capaz de colocar a empatia antes mesmo do que sinto.





 

26 de set de 2010

"Hábito??"



Hábito
Pode não parecer, mas o silêncio teu me faz perecer.
Incrível como faz falta o som de sua voz ao anoitecer.
Incrível como nos habituamos a outrem mesmo sem tudo saber.

Sei apenas deste silêncio ensurdecedor.
Que teima em perguntar-me sobre o que é o amor.
A mente divaga por lembranças, e tenta causar torpor.

No entanto, nada embriaga.
Nenhuma lembrança no momento afaga.
Tento moldar este pensar, mas a mente apenas divaga.

E neste divagar sem desejar parar,
Encontro-te em muitos campos deste devanear.
Devaneios sublimes que fortalecem a essência de se amar.

Talvez não passe mesmo de devaneios!
Talvez tão somente neles cure meus anseios!
Ou ainda talvez em devaneios deixe meus receios.

E quem sabe desperto lhe encontraria!
O silêncio não mais a mim mortificaria!
A tua presença finalmente a este fortificaria.

Estranho pensar em nossos hábitos.
E a forma como faz falta os sentidos cálidos.

Estranho é divagar novamente.
Por um caminho que pensava ser agora descrente.

Mas noto que o caminho é desconhecido.
Não o mesmo que em outros tempos fora percorrido!

Cria-se nova trilha,
E este percorrido com alegria.

Talvez então, não seja tão somente um hábito
Mas o momento que antecede o nascimento de um amor válido.



22 de set de 2010

"Welcome to Spring"

Hoje véspera de Primavera, estive a divagar juntamente a minha querida amiga Lívia Azzi de "Inquietude do Pensamento" e resolvemos (idéia dela) fazer uma postagem a fim de bem receber a Primavera.
Certamente irão se deleitar ao lerem seu texto "Sofrer Bem na Primavera", e a seguir a minha contribuição à data querida.



A primavera que traz consigo o desabrochar das flores
Traz também o desabrochar de antigos e novos amores
Como se a cada florescer fizesse também o amor transparecer
O inócuo do inverno é passado, lembrança para o novo amanhecer

A primavera que vem desabrochar em nossos peitos
Permitindo flores nascer de tenros sentimentos
Como se a intensidade de cada sentido fosse elevado
A intensidade da vida ficando ainda mais aguçado

Uma sensação de liberdade em demasia
Pulsando dentro de mim com extrema maestria
A vida novamente aflorada faz convite à vida e a mais nada
O desejo eloqüente de viver a vida em perfumada toada

Assim espelho a primavera e toda sua florada
Faz a vida desabrochar e a beleza novamente restaurada
Que a primavera traga também certa linda flor
Pois nesta vida me falta apenas verdadeiro amor

Que esta primavera dure para sempre
Se não for aos olhos que seja em nossa mente
Que venha restaurar os sentidos e aos amores
Tal como faz reluzir perfumes e flores.



18 de set de 2010

"O Bem que Sua Voz me Faz"



O som da sua voz conforta acalma causa proximidade
A proximidade inócua que cura uma qual certa ansiedade
Difícil especular sobre tal cura visto não se tratar de enfermidade

Mas, tal como o amor em desventura deixa cicatrizes invisíveis
Sua voz traz alento, calmaria que em palavras são indefiníveis

Como se a sensação de bem estar estivesse implícita a cada balbuciar
A cada gargalhada tua, que logo imagino o sorriso em seu olhar
Ah o olhar, singelo e claro que faz qualquer marinheiro neles querer navegar

O que tento dizer, mesmo que sem algum sentido
É que sem o alento de sua voz sinto-me mesmo perdido

A noite não se faz completa sem sua voz que à noite alenta
O sono é mais calmo, a mente esta mais leve e sem mais tormenta
A noite cai feito manta e cálida, pois, agora o coração se esquenta

Faz o amanhecer parecer mais claro, e todo um dia mais alvo
Parece exagero em minhas palavras, mas de certo um dia salvo

É assim, que tento lhe dizer
Já que ficar sem contigo falar não há prazer
Apenas saudade que em minhas palavras deixo transparecer


16 de set de 2010

"Momentos"


Existe o momento de silenciar
De permitir a dor ficar
Existe o momento de brincar
E fazer da alegria um bem estar
Existe o período para se esquecer
Permitir outros momentos florescer
Existe o momento de calar
Deixar a dor partir sem nela falar
Para cada momento uma ação
Para todos eles o coração
Para cada estação uma temperatura
Para toda vida tempestades e ternura
Para cada amanhecer um sorriso
Para cada anoitecer um abrigo
Para cada paixão uma resposta
Para cada amor uma proposta
O momento esta por toda vida
Importante não eternizá-lo em ferida
Respeite a cada qual seu momento
Por si só encontrará seu firmamento
Se desejar eternizar uma vida
Perpetue os bons momentos desta lida
E se quiser curar uma cicatriz
Faça no amor a sua eterna raiz
Este é o momento que exalo
De querer o amor e assim eternizá-lo

6 de set de 2010

"Um Segundo"




Me pego pensando na ausência de um segundo
Que inexiste dado este pensamento profundo
A presença vai além do estar presente
Esta em nossa mente mesmo de corpo ausente


O pensamento que vagueia e transpõe a distância
Não importa quão longe esteja o pensar se fez sua estância
Este pensar que lhe alcança e se pergunta
Em que sonho permitira fazer-te uma permuta?


Um intercâmbio de pensamentos
Em troca de seu pensar meus sentimentos
Estes que assolam a madrugada
E me faz querer-te em minha morada


Morada dos deuses de certo
Pois se trata de estar sempre por perto
Mesmo na inexistência da ausência de um segundo
Quero-te sempre por perto e não tão somente em pensamento profundo



18 de ago de 2010

"Do Sentimento"
"Calado"



Sempre acreditei no sentimento vivido

No sentimento dito e acolhido

Mas a vida nos ensina a cada dia

“Um novo aprendizado a vida dizia”

O sentimento nasce calado

É dito e vezes simplesmente deixado

Mas nenhum sentimento morre repentino

Antes disso deixa o coração em desatino

Silenciar o que se sente

É por vezes mais prudente

Mas digo em verdade

Desta prudência desejo a liberdade

Grito aos quatro cantos o que sinto

Pois a este coração não minto

Se não gosto não me esforço

Se adoro com palavras reforço

Uma vez dito

Jamais esquecido

Se logo depois silenciado

Foi por legado não devotado

Pouco importa o que vão pensar

Mas no amor vale mais amar

As palavras podem até cessar

Mas sabem tudo se vê num olhar



11 de ago de 2010

"O Olhar Revela"
"S.S.G."



Alguns escritos trazem por certo outras vivências
Vindas de outras conquistas e diferentes existências
Por vezes escreve-se de vidas que não as nossas
Conquistas não minhas tampouco suas, mas essências


Trajetórias percorridas por intensa vida
A conquista de outrem que um poeta apenas assimila
Traz para seus escritos as passagens doutra lida
Com valores em verdade da poesia e sua sina


No entanto, alguns escritos vêm de dentro
Vem do mesmo que as dita faz dele o centro
São de palavras vivas e verdades infinitas
São de admiração clara vezes desmedidas


É certo duvidar de uma palavra e sua ocultes
Ainda mais se na vida por vezes não se teve delas lucidez
A paixão temerária que vem e vai depressa
O amor confesso que chega e logo é ele quem dispersa


Não existe forma semântica de se ver a sinceridade
Visto que palavra alguma tem verdade em totalidade
Da retórica não se pode ter esboço algum
Olhe nos olhos e verás que não é o olhar comum


Mesmo que não tenha o hábito de observar
Desconheça as particularidades de um olhar
Lembre-se do olhar de uma criança
Que lhe pede a mão com olhar de esperança

 
O Amor tem seu tempo

Não me ame tão cedo
E nem tão quanto me odeie
Apenas segure em minha mão e não me abandone
Seja uma amiga e não me traia
Seja companheira e me acompanhe
Assim quando merecer seu amor irá me conceder
E quando menos esperar vera que para todo o sempre irei lhe amar...



Não tem porque interpretar um poema. O poema já é uma interpretação.
(Mário Quintana)

9 de ago de 2010

"Divagando Desejos"




Tenho desejo incessante, pensamento esvoaçante

Este de lhe tocar a face e de lhe beijar a fronte

Cuidar de seus passos, lhe dando paz ao semblante


Poder lhe segurar pela mão e caminhar sem preocupação

Agasalhar-te do frio, aquecer-lhe este seu coração

Provendo-lhe aconchego e tão somente a boa emoção


Ah desejo ímpeto que já vem em matutino

Basta que os olhos lhe notem e logo vem o desatino

De pensar em demasia em como queria lhe dar carinho


Ah se o pensamento rompesse o espaço

Chegaria até ti em pequenos passos

Roubar-te-ia o pensamento e deles se faria em laço


Entrelaçando pensamentos e firmando sentimentos

Mostrando que a vida se faz muito mais que meros fragmentos

Carregar-te-ia por toda uma vida

De certo se faria o prazer de minha lida




4 de ago de 2010

"Menina dos Olhos"



Pergunto-me a cada dia o que tomou toda minha atenção

Não me vem resposta alguma a não ser o som deste coração

Que diz em toada sucinta para acompanhar a moça distinta

Que anda despercebida, mas que pelo olhar é sempre seguida



Noto seu caminhar sem observar, os pés seguem o rumo sem hesitar

Caminha a passos calmos sem pressa de seu destino alcançar

Vem com sorriso nos olhos, mas os tem sem perceber

Deixe com que eu note sem o seu sorriso precisar esconder



Vá à calmaria caminhar, pois agora sei como lhe falar

Do por que destes olhos meus a insistência em lhe notar

És a doce e angelical menina dos olhos de Deus

Que agora de certo é também menina dos olhos meus.



 

30 de jul de 2010

"Exaltar o Amor"



Um sentimento demasiado
Dever-se ia ser do amor doado

Não de lembranças turvas
Nem da saudade feito em curvas

O amor sim é quem deve ser exaltado
Ser escrito, grafado e na mente lembrado

O sentido mais belo, feito em elo
De dois amantes da vida e do amor singelo

Ao contrário de se exaltar a dor
Deveríamos contemplar o amor

Difamar ao que se tratar de saudade
E exaltar a toda amabilidade

Deflagrar o sentido obscuro
Dar ao coração sentimento profundo

Amar em profunda singeleza
Regado à sinceridade e a uma certeza

Que temos apenas uma vida a viver
Então que esta seja de amor e bem querer



28 de jul de 2010

"Seu Sorriso"



Acometido por este teu sorrir me pego a pensar

Será por ele que me deixara apaixonar?

Mas então faço em mente certa confusão

Pois seus olhos igualmente sorriem em perfeita fusão

E ao fechar dos olhos os lábios esboçam um tímido sorrir

De pensar em seus olhos e ver em seu sorriso a vida ressurgir

Será talvez mero devaneio?

Pergunto-me agora o que devo eu fazer

Açoitado pelo sentimento não sei como transparecer

Essa exaltação que carrego no peito

Que me acompanha junto ao leito

Que faz balburdias em minha cabeça

Não permitindo que tal sorriso esqueça

Quisera lhe falar em quais sonhos fez minha mente divagar

Em quantos alentos em minha mente vi a vida passar

Oh cúpido, amigo querido

Atinja por favor, a dona deste singelo sorriso

Mostre a ela que quando me olha sorrindo

É em minha alma que faço o sorriso retribuído




27 de jul de 2010

"À Espreita"



Observo-lhe passando
Espreitando e analisando

Vejo vidas obliquas
Vidas esquecidas

Onde você em sua maestria
As domina, as tem em doutrina

Vejo como as seduz
Tiram-nas da escuridão lhes dando luz

Vivo assim a espreita
Observando como aos corações atenta

Os provoca a baterem com mais firmeza
Cegam-nos da cicatrizes a fim de que não as veja
Desperceba simplesmente esqueça

Eu que já conheço seus dotes
Espero por sua visita a este pote
Pote de vida esperando a sina

De amar a cada instante
Do amor em seu turbante

Que se esconde e se deixa visto
Provoca e vem sem aviso


É senhor cúpido

Cá estou eu novamente lhe pedindo algum abrigo.

24 de jul de 2010

"Precipício"



Veio assim sem querer
Os olhos quiseram ver
Não acreditaram em principio
Mas sabiam, era o precipício

Pois, o corpo e a mente
Desejam o mergulho demente
Prender-me em seus abraços
Prender-me como se fosse em aço

O mergulho perfeito
Que ouvira a respeito
De destino sem volta
Do amor que conforta

A despeito do medo
Já não mais é tempo
Quero da vida vivida
Amor de amada querida

Quero das horas em claro
Sentimento este mais raro
Quero de cada despertar
Tenros beijos poder lhe dar

Desta vida nada mais nada menos
Somente ter você sem mais adendos
Quero viver agora nesta vida
Somente junto a ti minha querida


22 de jul de 2010

"Quem és tu?"



Quem és tu linda moça, que chega assim meio sem  hora
Moça do sorriso singelo e de olhar penetrante, estonteante
Rouba-me o pensamento e toda uma mente se transforma
Faz  novamente coração hora  calado agora em rompante


Menina moça de pele alva com seus cabelos esvoaçantes
Toma-me a visão, são seus meus olhos que só a seguem
Vagueiam em meio à multidão, buscam seus olhos latentes
E quando os encontra, nem sei como dizer eles se perdem


E agora distante me pego a somente em pensamento sutil
Lembrando seu rosto, e claro deste seu sorriso penetrante
Sou posto agora sem hora em escrita e coração agora viril


E pergunto sem alguma afronta, mas de duvida verdadeira
 Onde estavam os olhos que não notavam e só se via o ardil
Perdidos na angustia e agora tal angustia se fez derradeira



19 de jul de 2010

"Despertai"

Escrito a quatro mãos com Lívia Azzi do Blog Inquietude do Pensamento.
Se não conhecem, deveriam...




A inquietude da alma enfeitiçada que se põe em eterno sonhar
Feitiço inebriante que cega e nos faz julgar ser impossível amar
Somos e nos tornamos quem somente aspira por ilusões
E na vida quem apenas em sonho permite-se ás emoções

O feitiço que nos enlaça e faz de nós joguetes do destino
Quando a vida é feita do imprevisível ou mesmo desatino
Que o presente é o instante que vivemos
Não o presente que meramente sonhamos

A impossibilidade reside em nossas mentes
Fazendo-nos galgar por caminhos dementes
Enquanto a realidade nos assola fazendo-se gritar
Pedindo-nos que despertemos para viver e contemplar

O real se exibe à nossa frente, mas somos cegos da demência
O feitiço que inebria a mente cobre os olhos que pedem clemência
Pois conhecem a existência da vida
Só estão cegos por insistência de nossa lida

O céu quase sempre azulado cujo Sol se irradia
O luar que sempre nos presenteia ao findar de cada dia
São magníficas pinturas reais de vida e pura magia
As quais não enxergamos por sonharmos em demasia

Peço-lhe então, suplico se preciso for
Segure minha mão, deixemos de vagar pelo amor
Vivamos enfim o sentimento sonhado
Contemplemos assim o real e de sonhos só um punhado

Sou real, sou corpo e mente, seu possível porto
E se for para embriagar-me que seja em seu corpo
Se for para sonhar que seja dos seus beijos
Se for para me enfeitiçar que seja somente por desejos

Permita-se mergulhar junto a mim
Adentrar no sonho o amor sem fim
Viver do amor e do sonho lhe trazer enfim
Navegar no oceano da vida que está para você e para mim

Aceitemo-nos sem mais fantasias
Fazei de mim na vida nostalgia
Pois se temos que viver a vida
Que seja de amor em demasia

E que viver não seja apenas sonhar
Que a dor não nos oprima de amar
Se for para doer que doa por tentar
Não por viver de sonhos sem se arriscar




LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Web Analytics